Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

José Eduardo Dias Costa

Nasceu em Lisboa, a 26 de Março de 1894, sendo filho do conselheiro Francisco Felisberto Dias Costa, docente da Escola do Exército e ministro por 2 vezes ao tempo da Monarquia. Em 1904 entrou no Batalhão de Caçadores 2 e foi promovido a 1º Sargento, cadete, em 7 de Agosto seguinte, com pouco mais de 15 anos. Nesse ano entrou para a antiga Escola Politécnica, onde cursou os preparatórios para Engenharia, transitando, em 1912, para o Instituto Superior Técnico, onde, em 1915 concluiu o curso de Engenharia Químico-Industrial com a mais alta média geral que foi registada naquele estabelecimento e naquela especialidade. Ainda aluno, foi assistente do dito Instituto. Dedicou-se a vários negócios industriais, comerciais e de pesca, que liquidou em 1928, voltando a ser assistente do dito Instituto. Aparece pela primeira vez como Agente Oficial de Marcas e Patentes no Boletim de Propriedade Industrial (B.P.I.) Nº. 2 de 1930, datado de 26 de Março de 1930. Em 1932 foi nomeado Chefe da Repartição do Ensino Superior e das Belas-Artes. Era comendador da Ordem do Mérito Industrial e possuía a medalha militar, de prata, de Comportamento Exemplar.

PUBLICAÇÕES
  • Notas sobre a análise racional da argilas, 1915;
  • A Exportação de Produtos Resinosos, 1918;
  • A indústria dos Resinosos, 1923;
  • O comércio de Peixe Fresco (tese aprovada no Iº congresso Nacional de Pesca e Conservas, 1927);
  • O título de engenheiro, sua hermenêutica jurídica e significado social, 1928;
  • A moratória Brasileira e a Economia Nacional, 1932;
  • A New Brazilian Default, 1937.